E as outras doenças?


Em tempos de pandemia, é necessário não esquecer as outras doenças!

Do ponto de vista individual, cada um de nós tem que ter presente que não podemos deixar arrastar sintomas - devendo recorrer aos serviços de saúde. Parece que só há Covid, mas a maior parte dos problemas de saúde são outros, e sabe-se bem que um diagnóstico precoce e um tratamento bem conduzido são essenciais para a nossa vida presente e futura. Se a febre e a tosse são frequentes no Covid, são também sintomas de várias infecções respiratórias ? bronquites, pneumonias, tuberculose - que são doenças curáveis, para as quais temos medicamentos eficazes. É preciso não atrasar a ida ao médico ? e o diagnóstico e tratamento! Em várias doenças crónicas respiratórias que podem ter agudizações - uma asma ou uma DPOC que não estão a responder ao tratamento da crise, se a falta de ar se está a acentuar apesar dos inaladores, a ida à urgência é fundamental.

Nas doenças oncológicas também é sabido que a detecção precoce é importantíssima para um bom controle - não adiar!

A nível mundial os governos têm que ter cuidado de não descurar as outras doenças, nomeadamente nos países com graves carências. A OMS o outras organizações alertam para que, no caso da tuberculose um atraso de três meses no diagnóstico conduzirá a um aumento de casos e da mortalidade e a um recuo de anos na evolução epidemiológica. A redução da intervenção em doenças como a malária (com menos intervenção preventiva e terapêutica) e na poliomielite (com redução das campanhas de vacinação) tem riscos gravíssimos para o seu controle e conduzirá a uma maior mortalidade.

No nosso país, alertas têm sido feitos a propósito dos acidentes vasculares cerebrais e dos enfartes de miocárdio - não subestimar os sintomas de suspeição e não adiar a ida à urgência!

Manter o contacto com os nossos serviços de saúde; para além do Covid e dos confinamentos há vida para viver!

Artigo publicado em "A voz dos reformados" maio/junho 2020
por Dr. José Miguel Carvalho



PATROCINADORES