As infeções do Outono/Inverno

Entrámos no Outono e, oficialmente, entrámos no tempo das infeções respiratórias!

E, neste ano de Pandemia viral, mais perigosas se podem tornar as infeções respiratórias.

Não há dúvida que o Outono entrou na altura certa do calendário: os dias são mais curtos, as temperaturas, entre o pôr e o nascer do Sol, já são mais frescas e a chuva, embora fugidia, já começou a regar as hortas, a molhar os campos e a encher as barragens! É, também e poeticamente, a estação das cores maravilhosas e surpreendentes que pintalgam as folhas das árvores, antes da sua queda! Mas o Outono vai, inevitavelmente, trazer consigo as doenças próprias da sua época: é chegado o tempo das tosses, dos espirros, das dores de garganta, do nariz obstruído, da voz nasalada, da febre, das bronquites, das pneumonias e da gripe! Acrescentando, a tudo isto, o risco de infeção provocado por este vírus pandémico: o SARS COV2. E tudo começa, também, porque as aulas já se iniciaram, os infantários abriram e dezenas de milhares de crianças, são encerradas em espaços fechados, prontas a contaminarem-se uns aos outros, e a trazerem a "bicharada" toda para casa, apesar de todas as medidas de contenção impostas! Mas pode ser que, este ano, as coisas não sejam, assim, tão lineares. É que esta pandemia da Covid 19, trouxe novas regras de vivência: obriga ao uso de máscaras respiratórias, promove o afastamento físico entre as pessoas, dita uma série de medidas que, se cada um as cumprir, serão uma forma muito eficaz de evitar a propagação das doenças infeciosas respiratórias e, deste modo podermos ter um Outono-Inverno não tão complicado!

Quais são as populações mais suscetíveis?

As populações mais suscetíveis são as que estão nos extremos da vida (as crianças e os idosos), assim como os mais debilitados, os portadores de doenças crónicas, de cancros, os que apresentam alterações da imunidade e os portadores de mais do que uma doença, em simultâneo. Não convém esquecer as grávidas, neste contexto.

O que devemos fazer para as evitar?

É sempre melhor prevenir que remediar.

No período em que vivemos - de medo, de incertezas, de falsas notícias, de falsas esperanças, de regras e imposições - apenas uma coisa é certa(!): cada um tem de fazer por si, e aconselhar os outros, no cumprimento das regras sociais amplamente difundidas pela Direção Geral da Saúde e impostas pelo Governo! Seja no uso correto das máscaras sempre que saia de casa, ou no resguardo social, não saindo de casa, a não ser por necessidade, evitar deslocações para fora da zona da residência, manter o afastamento físico de 1,5 a 2m, mesmo com os membros da família que não morem na mesma casa!


Mas devemos, também, procurar ter um papel pró-ativo no evitar destas infeções e isso só se vai conseguir mantendo-nos o mais saudáveis possível, os doentes crónicos tomando a medicação de forma correta, praticando alguma atividade física, tendo cuidado com a alimentação e fazendo a vacinação aconselhada pelos médicos e serviços de saúde!

Estamos na época ideal para a vacinação contra a gripe e contra a pneumonia! Até ao final do ano a vacinação deve ser feita a todas as pessoas em risco, ou seja, as que têm mais de 65 anos, os portadores de doenças crónicas, os doentes submetidos a tratamentos que interferem com a imunidade e as grávidas.

No meu entender criou-se um clima de exagero informativo sobre a necessidade de se vacinarem, mais precocemente, as pessoas contra a gripe o que provocou um alarme e, até, pânico em muitas pessoas devido à falta da vacina contra a gripe, quer nas farmácias, quer nalguns Centro de Saúde! Eu acho que as vacinas vão chegar para todos? e temos, ainda, bastante tempo até que chegue a época da gripe. Inscreva-se na sua farmácia ou no Centro de Saúde e aguarde! No entretanto, e se pertence a um grupo de risco, deve vacinar-se, também, contra a pneumonia! Ao ficar vacinado contra a gripe e a pneumonia pode evitar que a Covid não seja um fator de complicação e o doente não venha a ter, simultaneamente, "covipneumonia" ou "covigripe" o que seria, realmente, uma complicação séria!

Deixo por isso o aviso:
Se está dentro daquele grupo de pessoas consideradas de risco, VACINE-SE.


Dr. Raul de Amaral Marques

Artigo de opinião por Prof. Raul de Amaral Marques
Pneumologista - Imunoalergologista


* Este artigo está escrito ao abrigo do acordo ortográfico



PATROCINADORES