voltar

Consultório - Receita Segura


A adaptação ao meio ambiente é uma característica de todos os seres vivos. Basta quem vive em ambientes extremos, como nos mais inóspitos desertos ou em gélidos locais no Círculo Polar Ártico. Isto vem a propósito das bactérias e da sua capacidade de se tornarem resistentes - de se adaptarem - aos antibióticos. 
Desde 1928, ano que Alexander Fleming descobriu a penicilina - considerado o primeiro antibiótico - foram descobertos mais de 70 antibióticos. Doenças terríveis como a tuberculose, a lepra, a pneumonia ou a febre tifóide, foram vencidas, criando a ilusão de que sairíamos vencedores da luta contra as doenças infecciosas. Pura ilusão. Esquecemo-nos da tal capacidade de adaptação das bactérias. 
Devido à utilização excessiva de antibióticos na pecuária, que ingerimos quando comemos carne, e ao uso incorrecto por parte das pessoas, as bactérias foram-se adaptando e, hoje, o aparecimento de bactérias resistentes aos antibióticos é uma realidade preocupante. Há bactérias resistentes a praticamente todos os antibióticos - são as chamadas superbactérias. É fundamental que todas as pessoas saibam como usar correctamente estes medicamentos: 
Primeira regra - Nunca os utilize sem prescrição médica. Cada infecção deve ser tratada com o antibiótico específico e há infecções em que estes fármacos nem sequer estão indicados, como as virais (gripes, constipações) 
Segunda regra - O doente deve cumprir escrupulosamente a posologia e o tempo de tratamento prescritos. 
Terceira regra - Como qualquer outro medicamento, os antibióticos podem causar intolerância, efeitos adversos ou complicações. Nestes casos, deve avisar o médico, pois há decisões a tomar que vão desde estratégias correctivas até à interrupção do antibiótico. 
Os antibióticos são fármacos maravilhosos. Uma grande parte da população do planeta deve-lhes a vida. São uma poderosa arma ao serviço do combate às infecções. Porém, como todas as armas, podem ser uma "faca de dois gumes", se mal utilizados, podem virar-se contra nós.

Não contribua para tal. Use-os bem.

Artigo por Jaime Pina em revista Saúda



PATROCINADORES